domingo, 4 de agosto de 2013

Sobre Incertezas (O exemplo de Abraão)

Abraão é um homem de fé. Assim entrou para a história e assim permanece como símbolo. Seu exemplo inspirou as três grandes religiões: judaísmo, cristianismo e islamismo. Todas se advogam o direito de serem herdeiras dessa fé. Mas, no que Abraão pode ser considerado exemplo? Alguns poderiam dar muitas respostas para esta pergunta. Eu, contudo, gostaria de um momento de reflexão sobre esse único versículo:

Ora, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. Gênesis 12:1

O convite que Deus faz para Abraão (ainda chamado Abrão) é que ele se ponha a caminho. O narrador desta história, faz uma ênfase interessante. Abraão é convidado a deixar de lado tudo o que lhe trazia segurança: 

Tua terra - (o pai de Abraão havia abandonado a vida nômade e fixado residência). É um abandono a uma cultura que havia absorvido e uma forma de viver conforme os costumes que a família recebera da terra onde estava;

Tua parentela - sair da terra já, por si só, inclui deixar os parentes. Entretanto, a idéia aqui é outra. Trata-se de deixar de lado a vida comum com os parentes. Abandonar a grande família. Abraão é convidado por Deus a uma vida solitária, no que diz respeito à parentela. Seu sobrinho Ló vai com ele, entretanto, o convite é a Abraão e, as circunstâncias, lá na frente, o forçarão a separação; Abraão precisa deixar o convívio daquele clã e deixar de lado a identidade recebida por esse mesmo clã;

Casa do teu pai - Era comum, no mundo antigo, os deuses serem os deuses da família. Principalmente, dos pais. Assim eram chamados: Deus dos pais. Em alguns textos podemos ver: Deus Abraão, Deus de Isaque e o Deus de Jacó; Deus de Naor e de Terah. Expressões estas ditas pelos descendentes dos respectivos patriarcas. Deixar a casa do pai representava abrir mão da religião, cultura e costumes daquela família. Abraão é convidado a ser o "marco zero" de outra família, de outro grupo.

Terra que te mostrarei - no comentário a este versículo, o autor da carta aos Hebreus diz "Pela fé Abraão, sendo chamado, obedeceu, indo para um lugar que havia de receber por herança; e saiu, sem saber para onde ia." (Hebreus 11:8)

Deus desnudara Abraão. Sem cultura comum, sem família, sem herança religiosa e sem saber para onde ir.

Quando essa história foi escrita, sua intenção era animar aos judeus que haviam nascido, crescido e prosperado no cativeiro Babilônico a retornarem para a Judéia. Um lugar que não conheciam, uma terra estranha, onde os habitantes de lá tinham culturas diferentes e cuja forma de culto, certamente, se diferenciaria da Babilônia - na época sob o domínio Persa. E assim aconteceu. Não foi apenas Abraão. Mas inúmeros "abraães", homens e mulheres que aceitaram o desafio de seguir o exemplo do patriarca e abandonar tudo o que tinham para ir ao encontro de um futuro desconhecido. Cientes de que Deus era o condutor de suas histórias.

Assim, ainda hoje, somos convidados por Deus a não ficarmos presos às condições cômodas que, no entanto, não nos produz felicidade genuína ou ainda paz. A incerteza do futuro e do como será nos limita e nos impede de seguir em frente. Entretanto, por mais que o cômodo nos parece ser o mais seguro, é necessário não perder de vista que nossa vida merece um desfecho melhor. Fomos presenteados com esta vida. E está em nossas mãos viver intensamente e fazer deste presente, um presente real a nós e aos outros. Ser coadjuvante da própria existência é um pecado contra Deus e contra nós mesmos. Pecamos e morremos gradualmente quando deixamos de enfrentar a novidade do futuro.

O futuro é assustador? Sim, certamente o é. Porém, deveríamos nos assustar em passar a vida toda com certezas, com cultura,  com religião e com um mundo que já estavam prontos. Precisamos ousar mudar. Necessitamos criar o nosso mundo e nossa forma de encarar o futuro. Entretanto, com a consciência de que o melhor que Deus espera de nós, é que corramos ao encontro da nossa felicidade. E que esta, na maioria das vezes, está longe, bem distante, dos lugares cômodos e que não nos ameaçam.

Deixar de lado tudo o que se conhece e mergulhar na incerteza do futuro é o que fez Abraão ser chamado de homem de fé. E foi o que permitiu aos judeus viverem genuinamente a vida da qual foram herdeiros.

O maior agradecimento a Deus pela vida é fazer deste presente a coisa mais importante que temos. Salte no escuro, Vá sem saber para onde, enfim, viva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário