quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

O Reino de Deus e sua estranha lógica...

"Ouvistes que foi dito: Olho por olho, e dente por dente. Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra;
E, ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa;
E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas.
Dá a quem te pedir, e não te desvies daquele que quiser que lhe emprestes.
Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo.
Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;
Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos.
Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo?
E, se saudardes unicamente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os publicanos também assim?
Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus." Mateus 5:38-48

É bastante interessante que muitos levantem questões e outros cheguem a conclusões muito interessantes a respeito da vida. Contudo, não sou dado a repetir discursos, e lendo esse trecho bíblico, sou obrigado a me dobrar diante de uma lógica imperfeita a nós, mas que, justamente, é a base do Reino Utópico Divino.

A lógica moderna é do lucro e das negociações e, particularmente do Brasil, que possui um jeito de se apropriar do que não é seu ou de ser corrupto do nível mais baixo ao mais alto. O que acaba por denunciar o Reino de Deus como um "Reino de Idiotas".

Contudo, ignorando isso, o Reino de Deus aponta para uma justiça completamente diferente da nossa. A nossa justiça é baseada na vingança. Inicialmente os textos bíblicos apontam para uma justiça chamada de "Lei de Talião". Ela dizia: olho por olho, dente por dente. Para algumas pessoas, isso soa mesmo hoje (o que considero hipocrisia e direi mais a frente porquê) como violência e barbárie. Contudo, o pensamento é completamente contrário. Ele é de controle da violência.

A bíblia demonstra isso de forma didática: Primeiro Caim, que depois de matar seu irmão recebe um selo de Deus que diz:

"Portanto qualquer que matar a Caim, sete vezes será castigado".

Quem matar Caim, não será simplesmente morto, receberá esse castigo (morte) sete vezes. Provavelmente aí implica na morte dos filhos da família e etc. Vale ressaltar a presença do número sete, que é o número da perfeição. OU seja, quem matar Caim será PLENAMENTE castigado muito mais.

Lameque, mais tarde diz o seguinte:

"Ouvi a minha voz; vós, mulheres de Lameque, escutai as minhas palavras; porque eu matei um homem por me ferir, e um jovem por me pisar.
Porque sete vezes Caim será castigado; mas Lameque setenta vezes sete." Gênesis 4:23-24

Nessa ambiente de violência crescente, surge, séculos depois, a idéia de controlar a violência: Olho por olho, dente por dente. Ou seja, a partir de então, que matar Caim, será morto; Quem pisar em Lameque, será pisado; Quem ferir Lameque, será ferido.

Em nossos dias as coisas não são diferentes do que naquela época. Um homem mata ao outro porque olhou para sua esposa; ou porque lhe deve dinheiro; ou ainda, simplesmente, porque não foi com a cara na balada. Se o a Lei de Talião fosse vivida hoje, o mundo seria BEM MENOS VIOLENTO. E por isso considero hipocrisia criticar tal Lei, quando, na realidade, somos bem mais violentos do que ela.

Contudo, mesmo na época de Jesus, tal lei não era cumprida. Mas Cristo, contudo, ignora que essa lei não seja vivida. E ensina o nível maior de perfeição:

"(...) não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra"

Em outro momento, relembrando Lameque, Jesus, respondendo quantas vezes se deve perdoar um amigo culpado, diz: 70 vezes 7. Isso parece ridículo e, ao mesmo tempo, impossível de ser vivido. Entretanto, por pior que pareça aos nossos olhos, Jesus ensina que é a lógica que o próprio Deus usa:

"para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;
Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos. (...) Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus".

E aí se encontra a resposta para tantas perguntas:
"Por que Deus permite que destruam seu planeta?"; "Por que Deus não castiga esse político corrupto que não respeita ao povo?"; "Como Deus pode ver o mundo violento como está, sem fazer nada?"; "Deus não existe, pois, se existisse, certamente resolveria o problema do mundo".

A resposta para isso é tão simples quanto dura e, ao mesmo tempo, possui um tom de abandono: porque Deus ama o mais vil dos homens, confia nele e espera que esse mesmo se arrependa de suas más condutas e trate com respeito sua criação e seus irmãos humanos.

A cruz diz exatamente isso... Lucas compreende isso perfeitamente quando diz que, na cruz, Jesus ora: Pai, perdoe-os. Não sabem o que fazem.

A lógica do Reino de Deus é a da extinção da violência e não do seu controle. A exigência do Reino não passa por um paliativo. Não se conforma com "não matarás", "não furtarás", "não adulterarás" ou "não dirás falso testemunho". Sua exigência é "AME!".

Que vantagem há em bater no rosto de quem te bate? Não é exatamente isso que todos fazem? Como podemos nos considerar superiores se somos vingativos? Todas as pessoas do mundo não o são? Contudo, a crença na mudança pela não violência, na revolução pelas boas atitudes, que continuamente é considerada burrice, inocência ou ingenuidade é justamente a atitude mais sábia e a superior.

Superior não é quem mata; superior é o mártir! Superior não é quem ofende e humilha, é quem perdoa a humilhação. Vive melhor quem não tem o peso da culpa, da raiva, do ódio e da mágoa. E é considerado filho de Deus aquele que procura imitar ao Pai: abençoando o dia com sol e chuva para todos. Quer bons, quer maus. Dando oportunidade para qualquer um por amar a todos. Injusto? Como diz o Senhor: "não me é lícito fazer o que quiser do que é meu? Ou é mau o teu olho porque eu sou bom? "

Termino demonstrando, com alguns versículos, como o cristianismo primitivo entendeu bem a mensagem:

"O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
 Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
 Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
 Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
 O amor nunca falha" 1 Coríntios 13:4-8
 
"Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor. " 1 João 4:8

"O amor não faz mal ao próximo. De sorte que o cumprimento da lei é o amor. " Romanos 13:10

"E, sobre tudo isto, revesti-vos de amor, que é o vínculo da perfeição. " Colossenses 3:14

"No amor não há temor, antes o perfeito amor lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em amor. " 1 João 4:18

"Ninguém jamais viu a Deus; se nos amamos uns aos outros, Deus está em nós, e em nós é perfeito o seu amor." 1 João 4:12
 
Amar... é a maior exigência do Reino de Deus. Sua maior força, mas aos olhos dos que possuem a lógica do egoísmo, sua maior fraqueza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário