quinta-feira, 22 de outubro de 2009

O Tempo se Cumpriu! (Mc 1.14-15)

Esse texto revela a certeza da comunidade de Marcos: o tempo se cumpriu (Πεπλήρωται ὁ καιρὸς).

Kairos (καιρὸς): muitos erroneamente chamam de: tempo de Deus. kairós não é o tempo de Deus. É o tempo oportuno. O tempo que marca. O tempo que se cumpre, que ocorre, dentro do
χρόνος (crónos), dentro da normalidade. Um fato que marca de tão forma que foge a normalidade do que está acontecendo ou esperando (cronos).

Marcos coloca Jesus como mensageiro desse tempo, ou como o próprio tempo. Algo de anormal, de diferente está ocorrendo. Algo que era esperado, mas que não vinha. Esse algo, esse tempo, essa expectativa se cumpriu.

Pleres (Πε-πλήρω-ται tiramos o sufixo->πλήρω - plero, do verbo πλήρης - pleres , que quer dizer encher por completo, completar plenamente) . O que se traduz como: se cumpriu, seria na realidade: se cumpriu plenamente. Pleroma é a idéida de totalidade, completamente. Poderíamos traduzir para: "O tempo se cumpriu plenamente", "o tempo se encheu, ao máximo", "o tempo está completo". Repete a mesma idéia de Paulo quando afirma: mas, vindo a plenitude( πλήρωμα - pléroma) dos tempos (χρόνου - cróno), Deus enviou seu Filho...(Gal 4.4) .

Marcos afirma que esse tempo, esse momento se cumpriu. Coloca essa mensagem nos lábios de Jesus. Alguns defendem que Jesus de fato disse essas palavras, sendo, portanto, algo vindo direto do Jesus histórico. Não podemos, contudo, seguramente, fazer essa afirmação. A verdade, entretanto, é que, vindo dele ou não, a comunidade de Marcos professa a certeza de que o Cristo é o transmissor da mensagem da fé de que, nele, o tempo se cumpriu plenamente.

Mas que tempo é esse? Que cumprimento total é esse?

Não é simplesmente um tempo cumprido no sentido de fim de todas as coisas. Mas um tempo especial completo. Não é o crónos pleroma (presente em Paulo), mas um kairos pleroma. Aquilo que era esperado com grande expectativa veio de forma completa; ou ainda, aquilo que não se esperava (para agora ou para momento algum) ocorreu e de forma plena, sem nada a acrescentar.

O advento do Reino do Messias. O reino de Paz esperado por Isaías, no post anterior: o tempo de justiça, paz, misericórdia e vida sem fim. O tempo esperado por todas as nações! Mesmo que aguardando isso em um outro deus, ou um governante humano, todas as nações esperam esse momento que Marcos afirma, ousadamente, estar em Jesus.

Como Marcos podia afirmar isso? Os judeus sendo perseguidos, o império romano cada vez mais opressor, os cristãos com uma fé ainda marginal e tantos outros problemas de peso mundial. Com tantos tormentos, como pôde afirmar e colocar nos lábios de Jesus que "o tempo se cumpriu plenamente" (ὅτι Πεπλήρωται ὁ καιρὸς)?

Qual é o caráter e o sentido da mensagem dessa fé? Seria isso um pensamento corrente sobre a obra de Jesus mas que a cruz impediu? Se fosse assim, pq então Marcos não colocou que o" tempo está se cumprindo" e não que "se cumpriu", já prevendo a cruz, posto que o texto foi escrito pós-evento?

Marcos está escrenvendo pós sim, mas não pós-cruz, e sim pós-ressurreição.

Na verdade, o cristianismo primitivo - na comunidade de Marcos - confessa a crença que em Cristo está o tempo pleno pq vê nele não um passado de milagres, boas palavras e coragem. Mas um presente contínuo dessas coisas. A crença fundamental na ressurreição de Jesus faz dele atuante ainda no período pós-pascal. A força, a mensagem e a vida de Jesus, para Marcos, não se encerram na cruz. Pelo contrário, mesmo depois dela ele revive (16.6). E nele está o pleno Reino, onde nem a morte tem poder total. Mas o reino não se impõe. Se vive por opção. ( a parábola do semeador trabalha esta idéia bem).

Em Jesus, em sua mensagem, vida e paixão estão o cumprimento pleno do tempo esperado. Não precisa mais esperar. Essa é a mensagem do Evangelho! O tempo já se completou. Não olhemos para o alto na espera do Messias e nem para o deserto ou para a cidade. Entendamos somente que esse tempo não é mais esperado, é sim, apenas, não vivido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário